28 de mai de 2012

Primeiro Encontro


Você pode decidir sua vida, você decide viver, você decide sofrer, você decide! Embora muitas vezes façamos escolhas sem pensar como serão as consequências, mas nós sempre decidimos. E bem eu decidi amar Asher, desde que ele sequestrou meu coração de pedra e me deu o dele – e eu admirei aquele reluzente coração – eu escolhi unicamente dedicar-me aos mistérios de Asher Alef. Eu me lembro do nosso primeiro encontro, que não foi como os de histórias antigas e nem modernas, foi real e inimaginável.
Acordamos todos os dias e por mais que sejamos permeáveis a expectativas, geralmente, não esperamos mudanças que mudem o eixo de sua vida. Foi um dia comum: levantar-se, comer, metrô, café, multidão, música, sapatilha, laço, colan. Eu estava no ensaio individual para o espetáculo que estava por criar – eu estava péssima – pois precisava ser criativa e produzir algo, uma vez que já se fazia meses em que não conseguia elaborar uma sequencia de passos, tudo era tão clichê – e se for para dançar uma cópia prefiro largar minha carreira de bailarina – estava tão assombrada que não podia ser simpática nem com uma criança, então acabei por não dar minhas aulas.
Dizem que Agosto é um mês de bagunça, deve ser porque parece estar tão perto do fim do ano, mas na verdade fica conectada a rotina. E o que esperar de surpreendente no meio da bagunça de Nova Iorque; são tantas pessoas para serem escolhidas. É quase um milagre se agraciada com uma oportunidade de tornar-se diferente, aqui tudo é tão cruel: as escolhas e consequências te perseguem a cada momento. Embora, não seja renomada, devo sentir-me grata por não ter decidido uma carreira ao qual eu contasse as horas diárias para voltar pra casa. Eu gosto de fazer meus ensaios individuais pela noite, me sinto inspirada quando me deparo com uma parte da Cidade de Nova Iorque que fica tão singular nesta relação apaixonante entre: as luzes e a noite, entre o vazio e a multidão, entre os indivíduos e os casais; é uma cidade tão contraditória.
Estava concentrada no alongamento que fazia, quando escutei um barulho, mas a musica do fone e minha concentração não permitiram que fosse conferir de imediato. Então um sequencia de batidas na porta me retirou da concentração e da música, levantei-me e me dirigi até a porta; onde um pouco insatisfeita perguntei: Quem é? – pude notar o ofegar e as escolhas das palavras – e quando estava pronta a perguntar novamente ouvi uma voz – É a indicação de Britany Rose. Questionei-me a respeito, pois eram nove horas da noite, um homem bate a porta e comicamente lança esta de ter sido mandado pela minha professora e patroa; então perguntei: O que você quer a esta hora da noite? – enquanto caminhava até minha bolsa que estava próxima a barra de ferro, aumentava o tom de voz para tentar disfarçar meu distanciar. Ele então respondeu rapidamente: meu nome é Asher e vim conversar sobre um trabalho que tenho que fazer e não se preocupe eu irei pagar? – O tom irônico não me transmitia medo, mas pelo meu medo natural conclui minha ação e peguei meu spray de pimenta, assim qualquer coisa poderia espirrar no olho do engraçadinho e correr, enquanto retornava para junto da porta e perguntava, agora diminuindo o tom da voz: Mas que trabalho é esse? – Ele insistiu em ser irônico e misterioso e disse abra a porta e verá. Bem eu naturalmente não abriria a porta, mas a questão era que ela estava aberta e seu eu tentasse fecha-la ele poderia abri-la antes que eu a fechasse, então matutei comigo mesma: Abro a porta, espirro o spray e saio correndo. Para parecer natural instrui – Vou abrir a porta então, tudo bem? – Ah sim! Num acontecimento inédito aconteceu o imprevisto: Eu abri a porta, ele disparou um flash que ofuscou minha visão, eu lancei um espirro de spray de pimenta que caiu diretamente no olho dele, então os dois abaixaram até o chão para ambos recuperarem a visão. Eu consegui voltar em segundos e fiquei culpada ao ver que se tratava de um fotógrafo, portanto fui socorrê-lo, afinal tudo fora consequência do instinto medroso.
Peguei no pequeno banheiro um pano para passar nos olhos do rapaz e retirar o excesso de spray de pimenta, me desculpei tanto que fiquei mais envergonhada. Mas depois comecei a caracterizar o rapaz como: retardado, pois me aparece naquele horário inoportuno um homem dizendo que quer entrar e eu sozinha. Percebi que se passaram uns quatro a cinco minutos até que ouvisse uma palavra que não fosse: Ai! E ele disse – É assim que você recebe suas visitas sempre? – Não iria dar meu braço a torcer, então respondi: Não! Somente os inoportunos. Afinal o que você quer? – Ele simpaticamente e sem muito jeito respondeu: Sou um fotógrafo, como você pode perceber, estou fazendo um trabalho extra para um agencia de publicidade, que me enviaram aqui para fotografar a Britany, mas ela não quis e me indicou você. Fiquei estática, foi uma mistura de “Nossa! Que máximo”, e outra de “Tirar foto!”, mas depois de alguns segundos olhando pro nada consegui responde-lo: Bem, eu não sei. Acho que não nunca fiz isso. – ele revidou: Não se preocupe! Você só precisa dançar naturalmente e tudo ficará lindo. – Até parece... Lindo...Eu..., respondi – Claro que sim! Você é linda! Respondeu ele com um sorriso. A ideia me era interessantes, mas havia o orgulho “como que um menino que nem conheço vi me fotografar” e a vergonha natural, rapidamente ele se adiantou e me entregou uma carta de apresentação da agencia e vi que o valor era razoavelmente para se fazer uma comprinha, então sem pensar muito, agora, aceitei: Tudo bem, por este valor eu faço o ensaio! – Ele abaixou a cabeça deu uma risada silenciosa e levantou a cabeça e mirou os meus olhos dizendo: E por mim não...

6 comentários:

  1. Texto interessante!
    Gostei do blog.
    beijo

    http://dedeinwonderland.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. HAHAHA, ela tava coberta de razão em atacar o cara! Onde já se viu, aparecer pra trabalhar tarde da noite? XD

    :*

    http://hey-london.net

    ResponderExcluir
  3. Adorei!
    Gosto muito de textos assim, bem caracterizados, onde a gente acaba se infiltrando na cena, e entregando a ela toda nossa imaginação.

    Passarei mais vezes por aqui. Passe no meu tambem (www.letscris.blogspot.com) beijo!

    ResponderExcluir